Covid 19

Bolsonaro demite Mandetta

Bolsonaro demite Mandetta

A escalada do conflito aberto entre o presidente e Mandela durou mais de três semanas. Bolsonaro anuncia a nomeação de Nelson Teich como novo ministro.

Em meio à pandemia do novo coronavírus no Brasil, que já causou quase 2.000 mortes e ainda não atingiu o pico de contágio, o presidente Jair Bolsonaro demitiu o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

A decisão foi confirmada por Mandetta no Twitter e, em seguida, o presidente deu uma conferência de imprensa onde anunciou o nome do oncologista Nelson Teich como o novo Ministro da Saúde. A exoneração de Mandetta e a nomeação de Teich já foram publicadas no Diário Oficial.

“Acabei de ouvir do presidente Jair Bolsonaro sobre minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me dada de ser o chefe do nosso SUS, montar um projeto para melhorar a saúde dos brasileiros e planejar uma pandemia de coronavírus, o grande desafio que nosso sistema de saúde enfrenta “, escreveu Mandetta.

Após sua demissão, Mandetta fez um discurso emocionado aos profissionais de saúde e, antes de seu discurso, foi aplaudido pelos assistentes técnicos da pasta e agradeceu a vários parceiros no ministério, citando um a um os colaboradores.

Para eles, Mandetta enviou uma mensagem direta: “não tenha medo” e sempre acredite na ciência. “Ciência é a luz. É através disso que sairemos disso ”. “Estou absolutamente certo de que tivemos uma boa luta até agora. Você sabe que os ministros passam e o que resta é o trabalho do servidor do Ministério da Saúde do Brasil ”, afirmou.

Mandetta também disse que deixa o ministério “com gratidão ao presidente” e que sabe como deixar para trás a melhor equipe. Ele afirmou que teve uma conversa “amigável” com Bolsonaro nesta tarde, mas que o presidente precisava formar uma equipe com “outro olhar”. O ex-ministro também disse que deseja boa sorte ao novo ministro. “Trabalhe para o próximo ministro como você trabalhou para mim”, disse o ex-ministro, minimizando o impacto de sua partida.

“Não será esse problema (sua demissão), que é insignificante. Isso não tem mais significado do que uma defesa intransigente da vida, do SUS e da ciência. Fique nesses três pilares. Ciência é luz,  a iluminação. É através dele que partiremos. Que essa transição seja suave, frutífera e tenha um bom resultado no final de tudo. ”

Ele concluiu o discurso dizendo que, no minuto em que termina sua carreira como ministro, ele continua “trabalhando em dobro como cidadão”. Em meio a especulações de que ele possa assumir o cargo na Secretaria de Saúde de Goiás, o destino de Mandetta ainda é incerto.

Se vão os dedos e ficam os anéis? Nesse caso perdemos uma gerência espetacular e humana, alguém que desde o começo lutou pela vida e pela dignidade do povo para ter o melhor acesso possível à saúde. Até quando pagaremos o pato pelas decisões desastradas de Jair Bolsonaro?

Já dizia o ditado popular: ” Toda a nação tem o governo que merece “.

Não desejamos nem para o pior dos inimigos!!!!!

 

 

 

Deixe um comentário