Covid 19

Bolsonaro ameaça demitir Mandetta

Bolsonaro ameaça demitir Mandetta

Jair Bolsonaro decidiu demitir na segunda-feira o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em meio à crise do novo coronavírus. O ato oficial de demissão de Mandetta começou a ser preparado hoje à tarde, no Palácio do Planalto.

A expectativa era que a decisão fosse publicada em uma edição extra do Diário Oficial da União após a reunião do presidente com todos os ministros, incluindo o próprio Mandetta, convocada para as 17 horas. As informações sobre a demissão de Mandetta foram confirmadas à GLOBO por dois assistentes do Presidente da República.

No entanto, depois de se reunir com o presidente e limpar as gavetas no ministério, Mandetta anunciou que permanecerá no cargo.

Em reunião com membros do Ministério Público nesta segunda-feira, o Ministro da Saúde admitiu a dificuldade que encontra no cenário político e que não sabe “até quando será Ministro da Saúde”.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e o do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli entraram no circuito para tentar impedir a demissão de Mandetta. Alcolumbre ligou para o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria do Governo) dizendo que, se a demissão fosse realizada, a relação do governo com o Parlamento “seria muito difícil”.

Toffoli, por outro lado, agiu em duas frentes: ele trouxe ao Palácio do Planalto que a renúncia de Mandetta, naquele momento, seria muito mal recebida não apenas pela corte, mas por vários setores da sociedade; e trabalhou para que o Ministro da Saúde também fizesse algum gesto de harmonia em relação ao Presidente.

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), ex-ministro da Cidadania, foi o mais cotado para substituí-lo. Ele almoçou com Bolsonaro e os quatro ministros que despacham do Palácio do Planalto na segunda-feira: Walter Braga Netto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria do Governo), Jorge Oliveira (Secretaria Geral) e Augusto Heleno (Escritório de Segurança Institucional).

A ala militar do governo defendeu o nome da imunologista Nise Yamaguchi para assumir o Ministério da Saúde.

Sua avaliação foi aceita pelas pessoas que hoje admiram Mandetta, porque Nise tem mais de 40 anos de experiência, é médica. do hospital Israelita Albert Einstein e trabalhou em várias áreas da saúde no Brasil.

Há uma tendência de que seu nome não seja rejeitado pela bagagem do conhecimento, nem por ser mulher. Nise recomenda o uso de cloroquina em pacientes infectados com o novo coronavírus.

Deixe um comentário